Influências

         Nós do Mucambos de Raiz Nagô, estudamos diversas Nações de maracatu, mas duas nos tocaram mais fundo e influenciam de forma marcante no nosso trabalho: Estrela Brilhante de Igarassu e Leão Coroado.

 

O Estrela Brilhante de Igarassu

         As origens do Maracatu Estrela Brilhante de Igarassú, o maracatu mais antigo o Brasil em atividade, desde 1730, remontam a Ilha de Itamaracá, onde foi registrado, pelo inglês Henry Koster, no início do Século XIX, uma Coroação do Rei do Congo com a presença do vigário da paróquia. Os escritos do inglês confirmam os relatos de Maria Sérgia de Santana, a Rainha Mariú, matriarca do Maracatu, nascida em 1898 e falecida em outubro de 2003, aos quase 105 anos de idade.
Dona Mariú contava que seu pai, João Francisco da Silva, antes de morrer, passou o folguedo para seu marido, Manoel Próspero de Santana, conhecido como Seu Neusa, que passou a ser o Rei do Maracatu e Mestre do Batuque da Nação. Com seu marido, Dona Mariú foi morar no Alto do Rosário, hoje Sitio Histórico de Igarassú, onde está a Sede do Estrela Brilhante.
“Isso aqui era a Rua do rosário, só tinha negros e os brancos passavam longe”.
Em Igarassú Seu Neusa e Dona Mariú construíram sua família de 19 filhos, dos quais 9 criados por eles dentro da brincadeira e assim, eles levantaram juntos a Sede do Estrela Brilhante de Igarassu. Dona Mariú dançava como Dama Regente, função que recebeu de seu pai, aos 12 anos de idade quando passou a cuidar de Dona Emilia, Boneca do Maracatu. Hoje quem carrega Dona Emilia durante os cortejos é Dona Rita.
“Estou no Maracatu desde os 12 anos. Meu pai era o Rei do Estrela Brilhante e um dia ele disse que eu ia desfilar como Dama Regente, carregando a boneca. Ainda hoje, sou eu quem toma conta da boneca, ela dorme na minha cama. A boneca tem a mesma idade do maracatu. Ela é feita toda de Madeira e foi construída pelo carpinteiro Minervino do Ó, de Igarassú. Não se faz outra igual a essa no mundo. Tenho muito ciúme dela e já disse à minha filha que, quando eu morrer a boneca vai ficar com a família.”  Disse Dona Mariú.
Seu Neusa, como mestre do batuque, tocava o seu apito para tirar as toadas, acompanhado pelos instrumentos zabumba, tarol, mineiro e gonguê, como é feito até hoje pelo seu neto Gilmar. Os ensaios da Nação iniciavam no dia 07 de setembro e aconteciam até a semana pré carnavalesca. Durante os dias de carnaval a Nação saia de sua Sede e desfilava por todas as ruas de Igarassú, visitando todas as casas. Cada residência contribuía com a brincadeira, colocando dinheiro no vestido da boneca, Dona Emilia.
Com a morte de Seu Neusa, na década de 80, e a impossibilidade de se locomover de Dona Mariú, o Maracatu passou por um período desativado. Somente em 1993, através da Comissão Pernambucana de Folclore, iniciou-se uma pesquisa de memória das toadas e da história do Maracatu para que ele voltasse às atividades. Assim, em 06 de janeiro de 1994 foi realizada, pelo Pároco da Matriz dos Santos Cosme e Damião, Padre Luiz Theus, a cerimônia de coroação dos novos reis do Maracatu, nas ruínas da antiga Igreja de Nossa Senhora do Rosário, Igarassú. A partir de então, o Maracatu continua forte com Dona Emilia a sua frente, legitimando a encarnação da força dos antepassados desse grupo. Dona Emilia é tida como a maior riqueza do folguedo.“Não quero que seja vendida nem doada a nenhum museu. Dona Emilia representa a dona da nação. Ela é a dona da festa e vai no centro da brincadeira.”
O cortejo da Nação é formado pelo Rei e Rainha, Vassalos, Ministros, Porta Estandarte, Damas Regentes, Dama do Paço (uma carrega Dona Emilia e outra o buquê de flores), Baianas, Candeeiros, adereços de estrelas e pelo batuque. Somente homens tocam nessa Nação.
A filha de Dona Mariú, Dona Olga de Santana Batista, canta com sua voz singular e muita sabedoria as toadas herdadas de seus pais. Ela lidera uma corte de aproximadamente 150 integrantes. Como Mestre dos batuqueiros responde Gilmar de Santana Batista, o filho mais novo de Dona Olga, mantendo com dignidade o baque diferente de todos os outros maracatus. A nova matriarca continua essa linda história seguindo os desejos de sua mãe, de quem herdou o compromisso de seguir essa tradição e deixá-la como herança para as gerações de todos os que fazem a família do Maracatu Estrela Brilhante de Igarassú. (Fonte: Site do E. B. Igarassu e Myspace)

Vídeos:

Visite também:

Site da Nação: http://www.estrelabrilhantedeigarassu.com/

 

 O Leão Coroado

Por Lucia Gaspar

         Um dos poucos grupos que mantêm vivas a tradição e a religiosidade do maracatu de baque virado no estado de Pernambuco, o  Nação Leão Coroado considera como data oficial de sua criação o dia 8 de dezembro de 1863, que figura no seu estandarte, embora haja a hipótese que ele já existisse em 1852.
É o maracatu mais antigo sem interrupção de atividade desde a sua fundação. O dia 8 de dezembro tem grande significação para os seus integrantes. É o dia em que se comemora as festas de Nossa Senhora da Conceição e Nossa Senhora do Rosário dos Pretos, para os católicos, e dia de Iemanjá, para o culto nagô.
Assim como existe a dúvida quanto à data de fundação, há muitas coisas sobre a história do Leão Coroado, como dos maracatus em geral, que ainda não foram bem esclarecidas. Por ser um folguedo de escravos, que eram analfabetos, não há registros documentais.
A preservação da sua tradição deve-se, principalmente, à história oral. Pouco prestigiados no século XIX, os maracatus só viravam notícias nas páginas policiais, quando seus integrantes se metiam em brigas de rua e iam parar na delegacia. Hoje, no entanto, são grupos prestigiados e muito importantes para a cultura pernambucana.
Uma das figuras mais marcantes na história do Leão Coroado foi o Oluô Luís de França, que assumiu a liderança do maracatu fundado por seu pai, um ex-escravo africano, por volta do ano de 1954.
Mestre Luís, como era conhecido, nasceu na rua da Guia, bairro do Recife, em 1901. Cresceu no bairro de São José, onde aconteciam cultos africanos e frequentava terreiros de candomblé, como o de Pai Adão, em Água Fria.  Seus pais de santo foram Eustachio Gomes de Almeida e Dona Santa.
Como líder do grupo, que dirigiu com dedicação por mais de quarenta anos – de 1954 até 1997, o ano de sua morte – cuidou da organização, das obrigações religiosas e da direção da batucada, cujo baque secular foi repassado por seu pai. Com a morte do Mestre, a liderança do Nação Leão Coroado passou para as mãos do babalorixá Afonso Gomes de Aguiar Filho, dono de um terreiro em Águas Compridas, em Olinda, local onde hoje está localizada a sede do maracatu.
O forte do maracatu de baque virado é a sua tradição religiosa. Seus componentes básicos são o porta-estandarte, o rei e a rainha, as damas do paço com as calungas, os batuqueiros. Foram reis e rainhas do Leão Coroado, Estanislau, João Baiano, José Nunes da Costa, José Luís, Gertrudes Boca-de-Sola, Martinha Maria da Conceição e Dona Santa.
Os tambores feitos de macaíba, fabricados pelo mestre Luís de França, são utilizados até hoje nos desfiles do grupo. As cores da bateria, que se apresenta com 25 instrumentos, são o vermelho e o branco: Luís de França era filho de Xangô. Todo o  acervo do maracatu é guardado na casa do Mestre Afonso, em águas Compridas.
As roupas utilizadas nos desfiles são bancadas pelo próprio grupo e ninguém recebe remuneração. Os integrantes não são obrigados a seguir o culto Nagô, mas o babalorixá Afonso cumpre com todas as obrigações religiosas exigidas pelo maracatu.
Sob o seu comando o grupo tem conseguido estratégias autosustentáveis, sem perder a tradição. Auxiliado pela vice-presidente Daniela Bastos dos Santos, o Maracatu Nação Leão Coroado vem realizando importantes viagens e apresentações pelo Brasil e exterior. Foi um dos vencedores do Prêmio Cultura Viva, na categoria Manifestação Tradicional, promovido pelo Ministério da Cultura, em junho de 2006.

Recife, 16 de Junho de 2006. (Atualizado em 31 de agosto de 2009).

(Fonte: GASPAR, Lúcia. Maracatu Leão Coroado. Fundação Joaquim Nabuco, Recife, 2009.

Vídeos:

 Visite também:

Site da Nação: http://www.leaocoroado.org.br/article1.html

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *